CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > BRASIL TEM MAIS DE 63 MILHÕES PESSOAS COM NOME SUJO, MAIOR PATAMAR EM SETE ANOS

Brasil tem mais de 63 milhões pessoas com nome sujo, maior patamar em sete anos

11/12/2018

Política recessiva de Temer, que deve se aprofundar no governo Bolsonaro, leva famílias ao caos

Escrito por: Portal da CUT - Marize Muniz


O número de brasileiros com nome sujo porque atrasaram pagamento de contas e foram parar nas listas de inadimplentes cresceu 6,03% em novembro em comparação com o mesmo mês do ano passado. Foi a maior alta para meses de novembro desde 2011, quando o aumento foi de 8,10%, segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), divulgados nesta segunda-feira (10).

Com o avanço da inadimplência, o país encerrou novembro com cerca de 63,1 milhões de brasileiros com o CPF negativado e, portanto, com dificuldades para conseguir crédito, seja por meio de financiamentos e empréstimos em instituições financeiras ou compras a prazo no comércio.

O longo período de recessão e a estagnação da economia no pós-golpe, com recordes de desemprego e falta de investimentos, contribuem para manter a  inadimplência do consumidor continua elevada.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a inadimplência do consumidor continua elevada porque a recuperação econômica segue lenta e ainda não se refletiu em melhora nos níveis de renda e nem em queda considerável do desemprego.

“Os dois pilares fundamentais, que são emprego e renda, ainda enfrentam percalços. Por isso que o fim da recessão não foi o suficiente para melhorar as finanças do brasileiro. O ambiente econômico vem esboçando uma retomada gradual e bastante lenta e frustrou as expectativas de que o ano de 2018 seria o da consolidação dessa recuperação”, afirma.

Inadimplência cresce mais entre idosos

De acordo com o levantamento do SPC e da CNDL, a medida que aumenta a idade do consumidor, a inadimplência cresce de maneira mais expressiva. Em novembro, aumentou em 11,8% o número de inadimplentes com idade entre 65 e 84. As altas também foram acima da média nas faixas etárias entre 50 e 64 anos (8,5%), acima de 85 anos (7,7%) e dos 40 aos 49 anos (7,1%).  Entre os brasileiros entre 30 e 39 anos, a alta foi menor, de 3,9%.

Já entre a população mais jovem, a inadimplência apresentou queda de 22,3% na faixa etária de 18 a 24 anos, e recuo de 4% levando em conta os consumidores de 25 a 29 anos.

Dívidas bancárias lideram ranking

As dívidas bancárias – com cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos – lideraram o ranking de crescimento, com alta de 10% em novembro. Em seguida ficaram os atrasos com serviços de internet, TV por assinatura e telefonia, cuja alta foi de 9%. Já as contas básicas para o funcionamento da residência, como água e luz, cresceram 7,1% no volume de atrasos.

O único setor a apresentar queda na quantidade de dívidas não pagas foi o comércio, que teve recuo de 6,6%.

De modo geral, as dívidas com instituições financeiras continuam ocupando a maior fatia do total de dívidas que estão em atraso no país: 51% das pendências são devidas a essas empresas. Na sequência, estão os serviços de comunicação (15%), crediário no comércio (17%) e contas de água e luz (9%).

Norte tem a população mais inadimplente do país: 47% dos adultos da região não conseguem quitar compromissos

A região que mais contribuiu para a alta da inadimplência em novembro foi o Sudeste, cujo crescimento foi de 12,5% no período. No Sul, a alta foi de 2,1%, seguido do Nordeste (1,6%) e do Norte (1,4%). A única região a registrar queda na quantidade de brasileiros inadimplentes foi o Centro-Oeste (-2,7%).

No geral, a região brasileira em que há mais consumidores com contas em atraso, de modo proporcional à população, é o Norte: são mais de 5,65 milhões de pessoas adultas com o nome inseridos em cadastros de devedores, o que representa 47% da população de seus Estados.

Em segundo lugar está o Centro-Oeste, onde 43% dos adultos estão inadimplentes, formando um contingente de 5,09 milhões de consumidores com atraso nas contas.

No Nordeste são 17,22 milhões de inadimplentes, ou 42% de sua população adulta negativada.

O Sudeste possui, numericamente, a maior população de inadimplentes no país: 26,72 milhões. No entanto, esse número representa 40% dos consumidores.

No Sul, 37% da população de adultos estão inadimplentes ou 8,41 milhões de pessoas com o CPF restrito.

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Facebook Twitter Contracs Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Fetracs Conexão Sindical Rede Brasil Atual

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br