CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PROPÕEM REDE MUNDIAL CONTRA O FASCISMO E ATAQUE AOS DIREITOS TRABALHISTAS

Organizações internacionais propõem rede mundial contra o fascismo e ataque aos direitos trabalhistas

26/03/2019

No Congresso da Contracs, entidades apontam que mundo vive momento de retrocessos

Escrito por: Contracs - Luiz Carvalho


Com idiomas diferentes, mas unidas pela mesma luta, lideranças sindicais internacionais da América do Sul, América do Norte e Europa destacaram, durante a mesa do que avaliou o cenário sindical internacional no 10º Congresso da Contracs, a necessidade de construir uma plataforma conjunta em defesa dos direitos trabalhistas.

Da mesma forma que no Brasil, dirigentes de organizações como a estadunidense UFCW (União dos Comerciários e Trabalhadores na Indústria Alimentícia) enfrentam uma onda reacionária que invariavelmente elege a classe trabalhadora como inimiga, conforme apontou Stanley Gacek.

“Dado o pesadelo do governo do Trump e o golpe da reforma trabalhista e o governo de Bolsonaro, o movimento sindical brasileiro e o americano têm mais em comum do que nunca
Ao se reuniram em 19 de março para conspirar e costurar uma agenda nepotista, antissindical, antioperária, sob disfarce da retórica populista, nos apontaram que precisamos também nos encontrar e trabalharmos  juntos como nunca antes fizemos”, falou.

Gacek foi quem puxou uma fila de homenagens e de pedido do fim da prisão política de um velho conhecido da organização trabalhista internacional. “Lula continua como inspiração a todos nós, do mundo inteiro, e não vamos parar até conseguirmos sua libertação desta prisão política. Esta crise comum é a nossa oportunidade. Fora a reforma previdenciária golpista! Lula livre!”

A visão de uma batalha comum também esteve presente na intervenção de  Hector Casllano, da uruguaia Fuecys (Federação Uruguaia dos Trabalhadores do Comércio e Serviços).

“O movimento sindical latino-americano cometeria um erro se não entendesse que a luta trabalhista do Brasil não é só brasileira, mas de classes. Não é casualidade os anos de prosperidade para os mais pobres com governos progressistas, assim como não é casualidade que com o regime atual na América Latina exista retrocesso para a classe trabalhadora. Não só questão de salário, mas todas as conquistas, somos inimigos de classe dos fascistas”, apontou.

Sindicato é quem faz a diferença

Ao citar o exemplo do Peru, o presidente da Uni America Comercio, José Luis Oberto, lembrou que quando não havia sindicato no país, o setor de comércio passou oito anos sem aumento salarial e, como as lideranças que a antecederam, Ashwini Sukthankar, da United Here, também falou sobre a necessidade de globalizar o enfrentamento.

“O mundo mudou, nossa estratégia de parceria também tem de mudar. Estamos encarando governos racistas e fascistas, tanto no Brasil quanto EUA, e lutando por nossas próprias vidas. Sinto, porém, que não estamos apenas numa luta defensiva, mas também tentando tomar a ofensiva e acreditamos que não iremos ganhar se não levarmos trabalhadores para as ruas”, disse.

Pela Uni Comércio América, Henry Oliveira foi mais um dirigente a defender uma união de classes para além das categorias.

“Dizem que a noite é mais escura quando vai amanhecer e creio que este é o momento que estamos vivendo. Temos de buscar parcerias, não só com o movimento sindical, mas também sociais. Somos todos trabalhadores, não há diferença entre trabalhador de comércio e de banco, todos seremos afetados pela mesma situação, então, devemos mirar a unidade para atuar em conjunto. Queremos ver de volta o Brasil que sempre esteve na vanguarda da civilização”.

Pela italiana Filcams CGIL, Marco Beretta lembrou da manipulação midiática que impera tanto na Itália quanto no Brasil e referendou a necessidade de unificar as lutas.

“Há muitas coisas em comum entre Itália e Brasil, dois países com governos racistas e fascistas que usam meios de comunicação para desorientar os cidadãos e trazer um falso consenso. Temos uma tarefa que é falar com todos os trabalhadores para que entendam que esses governos não seguem os interesses dos mais fracos, os trabalhadores, e sim dos patrões. Temos um desafio, que não é só italiano ou europeu, mas mundial, lutar contra essas políticas criando uma rede entre nós”, sugeriu.

Lição de casa

Representante da ISP (Internacional dos Serviços Públicos), a ex-dirigente da CUT, Denise Motta Dau, tratou da importância de profissionalizar o processo de sindicalização para garantir a autonomia dos sindicatos.

“Precisamos de campanhas fortes de sindicalização, inclusive contratando pessoas que pensem maneiras de realizar o trabalho de base por meio de um diálogo mais lúdico, com peças de teatro, eventos alternativos e também usando a tecnologia. É um campo em que precisamos muito nos qualificar. Não nos esqueçamos que o campo progressista perdeu essas eleições muito por conta das fake news. Será a contribuição dos trabalhadores que fará com que os sindicatos tenham autonomia de sustentação”, disse. 

Denise defendeu ainda a fusão de entidades para ampliar a capacidade de negociação com os patrões e a importância de as organizações buscarem ampliar, ao invés de minimizar a capacidade de representação.

“É preciso dialogar com a diversidade que há na base para representar terceirizados, trabalhadores intermitentes, ampliar a base para que os sindicatos avancem na representação de ramos e não de categorias profissionais. Essa é nossa realidade”, alertou.

Para ela, também é preciso mostrar que o Brasil de 2019 segue na contramão do mundo e da história.

“A OIT (Organização Internacional do Trabalho) apresentou um estudo que demonstra, dos 30 países que privatizaram a Previdência, 18 recuaram, entre eles México, Peru Colômbia e Chile, porque reduz benefício, aumenta idade e, assim, expande a situação de miséria. Há vários países reestatizando a gestão de água e luz, como França, Alemanha  e Argentina, porque aumentou a tarifa, não tem controle social, não responde demandas coletivas da sociedade, e o Brasil vai caminhando para privatizar”, criticou.

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Aposentômetro Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Fetracs Fetracs RS Fenatrad

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br