CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > ARISTIDES, O INESTIMÁVEL

Aristides, o inestimável

06/12/2021

No artigo de sexta (3), o presidente da Contracs-CUT, Julimar Roberto, no Brasil 247, tratou do recém-descoberto 'calcanhar de Aquiles' de Bolsonaro: Aristides, o inestimável.

Escrito por: Julimar Roberto

 

 

Durante o outro final de semana, o presidente Jair Bolsonaro esteve no Rio de Janeiro, em uma de suas inúmeras agendas sem a menor relevância para o Brasil e os brasileiros, participando da formatura de 391 cadetes das Agulhas Negras. Disso, ninguém quis saber. Mas todo mundo – do mundo – comentou como ele se doeu ao ser chamado de ‘Noivinha do Aristides’.
 
Acusá-lo de corrupto, miliciano, genocida, ladrão, assassino, fascista e nazista, não tem problema algum. Mas ‘Noivinha’, e ainda por cima do Aristides, dá cana na certa.
 
O coitado só estava lá, às margens da Rodovia Presidente Dutra, acenando para os carros que passavam, todo despreocupado, sem nada para fazer na vida, quando passou uma mulher e gritou: “Noivinha do Aristides!”.
 
Não deu outra! Enfurecido, Bolsonaro vestiu a carapuça, que lhe serviu direitinho, e mandou a Polícia Rodoviária Federal interceptar o carro da acusadora e prendê-la em flagrante delito. Qual delito? 
 
Muito já foi considerado a respeito do quanto o ex-capitão insiste em vociferar sobre sua virilidade e como questões sobre homossexualidade abalam suas frágeis estruturas. Também nunca passou despercebido seu péssimo hábito de desvalorizar e objetificar a mulher, demonstrando um total desprezo ao sexo feminino. Tais atitudes, diriam alguns freudianos, poderiam denotar algum enruste, mas que somos nós para tentar entender o comportamento ininteligível – para não dizer insano – de Jair.
 
Quanto à moça que foi presa por desenterrar Aristides do passado longínquo de Bolsonaro, foi autuada pelo crime de injúria e terá que comparecer em juízo, mesmo seus advogados garantindo que o xingamento foi outro. 
 
Sobre Aristides, pouco se sabe além de que ele era instrutor de judô e acolheu Bolsonaro sob sua proteção quando o presidente ainda era apenas um jovem e indefeso cadete da AMAN (Academia Militar das Agulhas Negras), lá pela década de 70. 
 
Voltar à academia, visitar aquelas instalações tão familiares, relembrar bons momentos, talvez tenha deixado o presidente mais vulnerável e seu ‘calcanhar de Aquiles’ mais exposto. Sou capaz de imaginar até a trilha sonora: “Detalhes tão pequenos de nós dois, são coisas muito grandes para esquecer...”. 
 
Por fim, em meio a tanto “mistééério” - como dizia dona Milu em Tieta -, fica a dica. Se você não quiser ser preso, chame o presidente de qualquer coisa, menos de “Noivinha do Aristides”. Combinado? 
 
 
*Julimar é comerciário e presidente da Contracs-CUT
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br