CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > NOVO TEXTO DA LEI ANTITERRORISMO É PIOR DO QUE AI5, DIZ PROFESSORA DA USP

Novo texto da Lei Antiterrorismo é pior do que AI5, diz professora da USP

01/11/2018

Para Maria de Aquino, criminalizar manifestações e movimentos sociais, como querem aliados de Bolsonaro, é romper com o Estado Democrático. PT consegue adiar votação da Lei no Senado marcada por Magno

Escrito por: Portal da CUT - Rosely Rocha


Os senadores do PT, com apoio de outros parlamentares progressistas, barraram na manhã desta quarta-feira (31) a votação do novo texto da Lei Antiterrorismo, que criminaliza e prevê penas de cinco a oito anos de prisão até para quem abrigar pessoas que tenham participado de manifestações e passeatas.

O tema foi colocado na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado pelo senador não reeleito Magno Malta (PR-ES), aliado do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Os senadores de oposição pediram para a mesa marcar uma audiência pública para discutir o projeto que estava parado na Casa há dois anos.

Para o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a proposta de endurecimento da lei acaba de vez com a democracia brasileira.

“Conseguimos garantir uma Audiência Pública para a discussão do tema e para explicar para as pessoas o que está por trás deste interesse do novo governo. Vamos lutar em todas as frentes pela autonomia dos movimentos sociais", disse o senador.

É um AI-5 piorado

A historiadora e professora da USP, Maria Aparecida de Aquino, condenou veementemente o novo texto proposto pelo senador Lasier Martins (PSD-RS).

Para ela, as mudanças propostas transformam a Lei Antiterrorismo em um Ato Institucional nº5 (AI-5) piorado. O AI-5, instituído durante a ditadura militar, suspendeu o habeas corpus, proibiu que advogados e familiares visitassem a pessoa presa e censurou a imprensa, entre outros atos de repressão.

“É extremamente grave essa criminalização, já que, até mesmo os regimes ditatoriais tinham cuidado em não utilizar medidas tão radicais, pois isso é proibir toda e qualquer possibilidade de oposição, de conviver com o diferente, o antagônico”, diz a historiadora da USP.

Segundo Maria de Aquino, caso seja aprovado o novo texto da Lei, o Brasil vai romper oficialmente com o Estado Democrático.

“Essa medida radical não é apenas grave para os cidadãos brasileiros, mas vai piorar a imagem do Brasil no exterior”, diz a professora, que complementa: “Isso é o que acontece quando se elege um candidato de extrema direita. É um efeito dominó”.

Nota do PT

Em nota, o PT comenta a ação para barrar a tramitação do projeto, diz que o novo texto “é um violento atentado à democracia brasileira” e alerta que é preciso manter a vigilância sobre o assunto.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Facebook Twitter Contracs Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Conexão Sindical Rede Brasil Atual

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br