CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > POPULAÇÃO ADERE À ABAIXO-ASSINADO CONTRA REFORMA E PEDE CONSCIÊNCIA DE POLÍTICOS

População adere à abaixo-assinado contra reforma e pede consciência de políticos

05/04/2019

No lançamento do abaixo-assinado para barrar a reforma da Previdência, população faz cálculos de aposentadoria e adere à luta. Campanha nacional rodará o país contra a reforma

Escrito por: Portal da CUT - Tatiana Melim e Nádia Machado


A campanha nacional de coleta de assinaturas contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL) teve início nesta quinta-feira (4), na Praça Ramos, no centro da capital paulista, e foi bem recebida pela população ansiosa por informações mais claras sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 006/2019, que muda, para pior, as regras da aposentadoria.

Milhares de trabalhadores e trabalhadoras passavam e paravam para assinar o abaixo-assinado e esclarecer as dúvidas sobre a reforma na barraca montada pela CUT, demais centrais - CTB, Força Sindical, Nova Central, CGTB, Intersindical e CSP-Conlutas – e frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Além de assinar o documento e conversar com os representantes da classe trabalhadora sobre a resistência contra a aprovação da PEC, os trabalhadores pediram para fazer os cálculos para compararem como ficariam suas aposentadorias com as regras atuais e como podem ficar se as alterações propostas por Bolsonaro forem aprovadas pelo Congresso Nacional. Com o  “Aposentômetro”, calculadora que o Dieese preparou para isso, muitos puderam, com a ajuda dos sindicalistas, fazer as comparações e entender como a reforma prejudica suas vidas.

Foi o caso do vendedor Marco Vernucio, 64 anos, que sentou para fazer o cálculo de quanto tempo falta para se aposentar e quanto seria o benefício nas duas situações – pelas regras atuais e com a reforma do governo. Ele, que já contribuiu por 28 anos à Previdência, completará 65 anos em novembro.

Pelas regras atuais, assim que completar 65 anos, poderá se aposentar por idade e terá o direito de receber 98% da sua média salarial. Já pela proposta de Bolsonaro, ele poderá se aposentar com 65 anos, que é a idade mínima exigida aos homens na reforma, mas receberá somente 76%, o que representa uma perda de 22% no valor final do salário benefício.

“É muito triste e duro tudo isso aí, né?”, disse em tom de lamento, acrescentando: “Muitos brasileiros sofrerão e não conseguirão sobreviver, pois o custo de vida está alto e a aposentadoria está caindo”.

“Muitos terão uma vida de miséria. Eu gostaria que o meu país fosse o melhor do mundo, porque o Brasil é lindo. Mas desse jeito vamos sofrer. Eu espero que eles [Bolsonaro e parlamentares] tomem consciência”.

A perda no valor da aposentadoria do vendedor Marco é muito parecida com a perda que também terá o capoeirista Edvaldo Silva, 63 anos, se a reforma de Bolsonaro for aprovada por deputados e senadores que estão no Congresso Nacional, supostamente, para defender os direitos do povo, seus eleitores.

Com cerca de 17 anos de contribuição, Edvaldo poderia se aposentar daqui a 2 anos com 95% da média salarial, segundo as regras atuais. Pela proposta de Bolsonaro, ele se aposentará aos 65 anos, porém receberá somente 76%.

“Se essa reforma passar, eu estou perdido. Eu juro que trabalhei em um monte de empresa, contribui, só queria me aposentar”, disse.

Abaixo-assinado

Indignado com a proposta de reforma da Previdência, o eletricista Eduardo Apóstolo não fez questão de fazer os cálculos, ele queria mesmo engrossar a lista de assinaturas contrárias à reforma, que será encaminhada à Brasília na segunda quinzena de maio.

“Eu já fiz as contas, sei que vou perder, estou indignado com o que estão fazendo com o povo", criticou.

É o que pensa também a trabalhadora Rosângela Rodrigues, 54 anos, que hoje briga no INSS para conseguir a aposentadoria por invalidez.

Com o dedo amputado após ter de passar por quatro cirurgias, ela diz que só queria um pouco de paz e tranquilidade para conseguir organizar sua vida futura.

“A gente trabalha tanto nesse país. Quando a gente fica doente, precisa do INSS e eles querem tirar até isso da gente", disse.

“Por que essas pessoas não se importam com o ser humano?", questionou, emendando: “como vai ficar o país para os nossos filhos, nossos netos, as gerações futuras?”.

A luta pelo país

E é justamente para garantir o direito à aposentadoria da atual e das futuras gerações que a CUT, demais centrais e movimentos ligados às frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo vão rodar o Brasil para colher assinaturas e esclarecer a população sobre a importância de barrar a reforma da Previdência, explica o Secretário-Geral da CUT, Sérgio Nobre.

“Temos o desafio de combater a mentira espalhada pelo governo de que a reforma é necessária. Não é verdade. Essa reforma é para Bolosonaro e [Paulo] Guedes atenderem as cobranças do mercado financeiro", alertou Sérgio.

“É uma perversidade e uma tragédia essa reforma. Além da aposentadoria, estão atacando a proteção de todo um sistema de Seguridade Social que garante auxílio doença, aposentadoria rural e proteção aos trabalhadores que mais precisam".

Por isso, defende o Secretário-Geral da CUT, é importante que os trabalhadores procurem um posto de atendimento em seu estado e ajude a barrar essa reforma.

“Assine o abaixo-assinado, faça os cálculos e ajude a esclarecer parentes, amigos e vizinhos de que é preciso barrar essa reforma".

Orientações

Os formulários do abaixo-assinado podem ser acessados aqui. Após fazer o cálculo, o trabalhador ganha uma cartilha (que pode ser acessada aqui) com todas as explicações sobre as principais mudanças que o governo quer fazer nas regras da aposentadoria e como elas afetarão a vida de cada um.

Após a coleta de assinaturas, os sindicatos e entidades devem enviar os formulários assinados para a CUT estadual, que encaminhará o documento final para a sede da CUT em Brasília, no endereço SDS – Setor de Diversões Sul – Ed. Venâncio V, bloco R, subsolo, lojas 4, 14 e 20 – Asa Sul – Brasília/DF – CEP 70.393-904.

O Brasil inteiro contra a Reforma da Previdência

Nesta quinta-feira (4), além de São Paulo, que concentrou o ato nacional de lançamento da campanha de coleta de assinaturas, teve também ação nos estados do Piauí, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Pernambuco. No Ceará, as atividades serão realizadas nos dias 7 e 8 de abril. Em outros estados, a agenda está sendo construída.

Piauí

A CUT-PI e centrais sindicais lançaram o abaixo-assinado contra a reforma da Previdência de Bolsonaro na Praça Rio Branco, no centro de Teresina. A população era convidada pelos dirigentes sindicais para participar, deixando sua assinatura como forma de protesto à PEC 06/2019 e para dizer "Não à Reforma da Previdência".

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, a coleta de assinaturas iniciou às 12h, no Boulevard Carioca, onde tinha uma equipe para tirar dúvidas das pessoas que estavam passando pelo local.

Santa Catarina

A CUT-SC, junto com CTB, Intersindical, UGT e CSP Conlutas, realizou o primeiro dia de coleta de assinaturas na capital catarinense nesta quinta (4). Além disso, foram distribuídos panfletos explicando os ataques à aposentadoria previsto na nefasta reforma de Bolsonaro, que, segundo a população, precisa ser barrada.

Pernambuco

Em Recife, as atividades começaram às 16h, na Praça do Carmo, com grande participação da população. Além disso, o ônibus da Escola da CUT irá circular por vários pontos da cidade, apresentando vídeos sobre a reforma da Previdência, distribuindo panfletos à sociedade e colhendo assinaturas para o abaixo-assinado contra a PEC 06/2019. Veja a programação:

05 de abril - sexta-feira     
16h às 20h   
Praça do Diário

08 de abril - segunda-feira
16h às 20h   
Praça do Morro da Conceição

09 de abril - terça-feira     
16h às 20h   
Largo da Paz (Afogados)

10 de abril - quarta-feira   
16h às 20h   
Praça de San Martim

11 de abril - quinta-feira   
16h às 20h   
Parque Urbano da Macaxeira

12 de abril - sexta-feira     
16h às 20h   
Rua Padre Lemos, em frente merc. de roupas

Ceará
No Ceará, a coleta de assinaturas será durante os eventos da Jornada Lula Livre. No domingo (7), haverá concentração às 15h, no Centro Cultural Belchior, e no dia 8, às 18h, no Auditório da Fetraece (av. Visconde do Rio Branco, 2198 – Joaquim Távora).

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Fetracs Fetracs RS Fenatrad

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br