CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > SINDICALISTAS E PARLAMENTARES LUTAM PARA APROVAR PL QUE GARANTE DIREITOS DOS TRABALHADORES TERCEIRIZADOS

Sindicalistas e parlamentares lutam para aprovar PL que garante direitos dos trabalhadores terceirizados

29/05/2019

Proposta foi discutida em audiência na Câmara

Escrito por: CUT Brasília


A contratação de trabalhadores de forma precarizada, através da terceirização, é uma das formas da manutenção do lucro de uma minoria em detrimento dos direitos e da vida da maioria. A equação desigual e cruel não é de hoje. A exploração da classe mais vulnerável, fato histórico no Brasil, apenas tomou novos contornos e nomes, e continua refletindo seriamente na vida dos trabalhadores. Segundo o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto, a terceirização vem numa lógica de “fugir de convenções e acordos coletivos, para retirar direitos”.

A questão foi debatida em audiência pública sobre a garantia dos direitos dos trabalhadores nas contratações de serviços terceirizados, realizada nessa terça-feira (28), na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços Públicos da Câmara dos Deputados. O tema é fruto do projeto de lei 5456/2016, da deputada federal Erika Kokay (PT-DF). A proposta, essencial para se construir um ambiente menos hostil para milhares de trabalhadores, foi rejeitada pelo relator deputado Laercio Oliveira (SD-SE) e aguarda votação na Comissão.

Entre outros pontos, o PL altera a Lei das Licitações e estabelece a exigência de garantia para as provisões de encargos trabalhistas quanto a férias, décimo terceiro salário e multa do FGTS por dispensa sem justa causa. Outra questão importante abordada é quanto à responsabilidade coletiva. O PL prevê que tanto a empresa contratante quanto a terceirizada respondam pelos descasos com os trabalhadores.

Na avaliação do secretário de Administração e Finanças da CUT Brasília e presidente da Confederação no Comércio e Serviços (Contratacs), Julimar Roberto, os empresários “precisam entender que estão lidando com pessoas, com seres humanos”. “O que esse PL (6456/2016) traz nada mais é do que a tentativa de resguardar os direitos constitucionais e previstos na CLT”, disse.

A deputada Erika Kokay explica que o PL “surgiu da dor dos trabalhadores”. “É obvio que essa legislação não agrada aqueles que querem estabelecer a fraude. As empresas honestas não precisam ter medo desse projeto”, disse.

“Frente a tantos ataques, esse projeto da parlamentar vem para fortalecer a luta e garantir o mínimo de respeito e dignidade a cada um e cada uma que exercem seus trabalhos”, avaliou o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto. Para ele, além de um processo de precarização desenfreado no mundo do trabalho, “a classe trabalhadora ainda se depara com ataques às entidades sindicais e à Justiça do Trabalho”, ações que vêm para liquidar os direitos trabalhistas.

“Muitas organizações nos vêem como objeto. E é muito triste, muito dolorido. Pagamos os mesmos impostos que qualquer trabalhador. Faço, aqui, um apelo para que esses parlamentares vejam a importância dos trabalhadores terceirizados. Precisamos de respeito”, exigiu a presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Terceirizados do DF (Sindserviços), Maria Izabel Caetano.

O presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes e Prestadores de Serviços (CNTV), José Boaventura, avaliou que, “terceirização também significa calote nos trabalhadores”. “É preciso definir responsabilidades de contratadas e contratantes em relação aos direitos trabalhistas e condições de trabalho”, disse.

A avaliação dos dirigentes sindicais é respaldada pela análise da coordenadora nacional de irregularidades trabalhistas do Ministério Público do Trabalho, Ana Cristina Ribeiro. “O contratante pretende pagar menos, e terceirizar os serviços virou sinônimo de precarização das relações do trabalho. O empresário não quer um serviço de qualidade. Quer, antes de tudo, um serviço mais barato”, disse.

Durante a audiência pública dessa terça (28), ainda foi lembrado que a intensificação do processo de terceirização e consequente aumento da precarização das relações de trabalho se deu com a reforma trabalhista, aprovada após o golpe de 2016. A reforma permite a terceirização em todos os setores, incluindo as atividades-fim de uma empresa. Com isso, em uma escola, por exemplo, o próprio professor pode ser terceirizado. A iniciativa foi duramente repudiada pela CUT e sindicatos filiados por trazer prejuízos irreparáveis a trabalhadores e trabalhadoras, mas, graças à ganância da maioria dos parlamentares, que haviam acabado de impeachmar ilegalmente uma presidenta legitimamente eleita pelo povo, a reforma trabalhista foi aprovada e passou a vigorar ainda em 2017.

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Aposentômetro Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Fetracs Fetracs RS Fenatrad

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br