CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > 40% DOS BRASILEIROS ACHAM QUE PAÍS CORRE RISCO DE NOVA DITADURA MILITAR

40% dos brasileiros acham que país corre risco de nova ditadura militar

10/12/2019

Para 77%, a democracia é o melhor sistema de governo, enquanto que para 10% a ditadura é uma alternativa ideal. Os dados são de pesquisa da Veja/FSB

Escrito por: Redação CUT

Para a maioria dos brasileiros, com Jair Bolsonaro o país corre mais riscos de instaurar novamente uma ditadura militar, como a que governou o Brasil entre os anos de 1964 a 1985, período conhecido como ‘anos de chumbo’ por causa da forte repressão e violência contra a esquerda e quem ousasse pensar diferente ou questionar o governo militar. Nesse período, centenas de militantes foram presos, torturados e assassinados pela polícia política. Muitas famílias nunca conseguiram enterrar seus entes queridos porque muitos corpos desapareceram.

A informação é da pesquisa da Veja/FSB publicada nesta sexta-feira (6), que contatou que para 40% dos brasileiros o país corre riscos de voltar a ser uma ditadura. Outros 28% acreditam que essa possibilidade é pequena e apenas 26% dos entrevistados estão razoavelmente tranquilos quanto a essa possibilidade.

O levantamento mostra ainda que para 77%, a democracia é sempre, ou na maioria das vezes, o melhor sistema de governo. Enquanto para 10% a ditadura é uma alternativa ideal.

A pesquisa foi feita por telefone com 2.000 pessoas nos 26 estados e no Distrito Federal entre os dias 29 de novembro e 2 de dezembro.

Os números refletem o perfil autoritário do governo Bolsonaro, que faz constantes referências positivas ao golpe militar de 1964 e, mais recentemente, ao AI-5, instituição do momento mais repressivo e punitivo do regime militar no Brasil.

Além das diversas declarações feitas no passado e durante a campanha, Bolsonaro, mesmo depois de assumir a presidência, fez declarações elogiosas a torturadores - como o chileno Augusto Pinochet - e tem ameaçado reprimir movimentos sociais caso o Brasil se espelhe nos exemplos vizinhos da América do Sul.

As mais recentes referências ao AI-5 foram feitas pelo deputado Eduardo Bolsonaro, um de seus filhos, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Os dois estão sendo alvo de ações da oposição no Congresso por suas declarações e o discurso de Bolsonaro é considerado crime de responsabilidade no entendimento de alguns juristas.

Com apoio do Brasil247.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br