CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > COM RECORDE DE MORTES EM 24H, BRASIL TEM MAIS DE 30 MIL VÍTIMAS FATAIS DA COVID-19

Com recorde de mortes em 24h, Brasil tem mais de 30 mil vítimas fatais da Covid-19

03/06/2020

São Paulo, que já tem reabertura gradual da atividade econômica em algumas cidades, bateu recorde de mortes e infecções em apenas um dia

Escrito por: Redação CUT

O Brasil voltou a notificar mais de mil pessoas mortas pelo novo coronavírus (Covid-19) e bateu mais um recorde tanto no número de óbitos quanto no de casos confirmados em apenas 24 horas.

Entre segunda-feira (1º) e terça-feira (2), foram registradas mais 1.262 vítimas fatais da doença, o maior número desde o início da pandemia. O total de óbitos chegou a 31.199.

No mesmo período, o país bateu recorde de novas infecções, com mais 28.936 casos, totalizando 555.383 pessoas contaminadas pela Covid-19.

Segundo o Ministério da Saúde, 223.638 pessoas se recuperaram da doença, o equivalente a 40,3% dos casos confirmados.

Em meio a maior pandemia da história do Brasil, Jair Bolsonaro (ex-PSL) segue sem nenhuma preocupação com a crise e formalizou no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (3) o nome do general Eduardo Pazuello para exercer, interinamente, o cargo de ministro de Estado da Saúde.

A pasta tem mais generais do que especialistas da área da medicina e já perdeu dois ministros desde março. O primeiro a se demitir por discordar da pregação de Bolsonaro a favor da cloroquina para todos e pela volta das atividades econômicas, foi Luiz Henrique Mandetta. Depois, Nelson Teich, também a favor do isolamento social como única maneira de conter a disseminação da doença e a favor de medicação só depois de comprovada a eficácia, também pediu para sair.

São Paulo

Epicentro da pandemia, o estado de São Paulo flexilbizou o isolamento social em algumas cidades. Na capital paulista, a volta gradativa das atividades econômicas está prevista para o próximo dia 15. Entretanto, os números de mortes e infecções em São Paulo ainda preocupa e mostra que o plano do governador João Doria (PSDB) é precipitado.

Nesta terça-feira, o estado registrou 327 mortes causadas por coronavírus nas últimas 24 horas, o maior número em um dia desde o começo da pandemia, segundo os dados divulgados pela secretaria Estadual de Saúde.

O total de óbitos até o momento é de 7.994. O número de novos casos também foi o mais alto da crise, com 6.999, totalizando 118.295 pessoas contaminadas no estado de São Paulo. É o maior número de casos no Brasil.

A taxa de ocupação de leitos de UTI no estado é de 73,5% e na grande São Paulo, de 85,3%. Enquanto isso, o índice de isolamento está entre 47% no estado e 49% na capital.

Crise no Rio Janeiro

Segundo estado com números de casos confirmados e mortes, O Rio de Janeiro tem apenas um dos sete hospitais de campanha funcionando. Os restantes dos hospitais deveriam ter sido entregues no fim de abril, até o momento apenas um foi entregue.

O governo do Rio de Janeiro decidiu intervir na gestão dos hospitais de campanha montados para combater a pandemia de covid-19. Um decreto do governador Wilson Witzel (PSC) aponta o atraso na entrega e deficiência na gestão como motivos para a intervenção estadual.

O Rio de Janeiro, que já vivia uma grave crise de saúde pública, é o segundo mais afetado pelo novo coronavírus, com 5.686 mortes e 56.732 casos confirmados.

Terceiro estado mais afetado pela pandemia, o Ceará tem 55.472 mil casos positivos de covid-19 e 3.524 óbitos, segundo dados da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde. A atualização foi feita às 9h08 desta quarta-feira (3). O estado já ultrapassou os 50 mil diagnósticos positivos da doença.

Fragilidade na saúde em Amazonas

Um estudo feito pela Fiocruz Amazônia aponta que a gravidade da epidemia em Manaus e o elevado número de mortalidade tem reflexo da grande desigualdade social e fragilidade dos serviços de saúde na cidade.

 Na capital do estado, 18,9 mil casos confirmados da doença e 1,3 mortos em decorrência da Covid-19.

O estudo da Fiocruz utilizou dados de mortalidade disponíveis na Central de Informações do Registro Civil (CRC) Nacional e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), durante a 11ª e a 16ª semana epidemiológica (período de 15 de março a 25 de abril de 2020).

Segundo os dados, de 15 a 23 de março, antes do primeiro caso registrado na cidade, 215 pessoas morreram em Manaus. No mesmo período do ano passado, o número de mortes foi de 205.

Já no período de 19 a 25 abril, na 16ª semana da pandemia, quando a cidade se tornou o epicentro da doença no Amazonas, foram 915 mortes registradas, contra 215 na mesma semana de 2019, um aumento de 350%.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br