CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > ENQUANTO PAZUELLO OMITE 100 MIL MORTES NA OMS, BRASIL PATINA NO CONTROLE DA PANDEMIA

Enquanto Pazuello omite 100 mil mortes na OMS, Brasil patina no controle da pandemia

14/08/2020

O Brasil registrou mais 55.155 casos e 1.175 óbitos em decorrência da Covid-19, em 24 horas e já soma 104.201 vidas perdidas

Escrito por: Redação CUT, com colaboração da CUT-RS e CUT-BA

Há 89 dias sem Ministro da Saúde, falta de insumos para casos graves de Covid-19 em 22 hospitais – o que sobra é a cloroquina que tem efeito placebo- e sem uma coordenação nacional de combate ao novo coronavírus, o Brasil segue com a pandemia descontrolada em vários estados e já soma 104.201 vítimas fatais e mais de 3,1 milhões de pessoas infectadas.

Nos hospitais faltam remédios como sedativos, anestésicos analgésicos e bloqueadores neuromusculares, insumos necessários para pacientes em estado grave, segundo apuração do UOL. Por outro lado, afirma o portal, sobra cloroquina, remédio sem comprovação científica para a doença divulgado amplamente pelo presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), que investiu milhões na produção do medicamento.

Apesar deste cenário, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, não se constrangeu ao omitir os números da tragédia brasileira durante reunião virtual com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ele se limitou a apresentar dados supostamente positivos como o número de pacientes recuperados. Não se sabe se são pessoas que ficaram em estado e que, portanto, podem tem sequelas graves. A informação é do blog Jamil Chade, no UOL.

O Brasil é o segundo país com o maior número de mortes pelo coronavírus e o segundo maior número de infectados, em termos absolutos. Atrás apenas dos Estados Unidos que registra 5,2 milhões de casos e mais de 165 mil mortes.

Nesta quarta-feira (12), o Brasil registrou mais 55.155 casos e 1.175 óbitos em decorrência da Covid-19, segundo o Ministério da Saúde.

A média móvel de mortes nos últimos sete dias é 978, uma queda de 5% em relação há 14 dias. Quanto ao número de casos, a média móvel diária dos últimos sete dias é de 43.959 novos casos, uma queda também de 5% em relação há 14 dias.

Seis capitais têm UTIs com taxa de ocupação acima de 80%
A pandemia avança em estados do Sul e do Centro-Oeste e pressiona o sistema de saúde dos estados, como é o caso de Minas Gerais. Em seis capitais do país a ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) está acima de 80%.

Com ocupação acima de 90%, Goiânia e Campo Grande registram o pior cenário, seguido por Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba e Aracaju, com mais de 80% dos leitos ocupados.

Nesta segunda-feira (10), a capital de Goiás estava com 95% dos 106 leitos de terapia intensiva para pacientes com suspeita de Covid-19 ocupados.

Em Campo Grande (MS), a ocupação chegou a 91%, na sequência vem Porto Alegre com a taxa de ocupação de 89%, Curitiba registrava uma taxa de ocupação de leitos de UTI acima de 80% e Distrito Federal com a taxa de ocupação em 73%.

Estados

Seis estados e o DF estão com o número de mortes em alta, são eles: Santa Catarina, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Amapá e Tocantins.

Já o Amazonas, que tem registrado número alto de mortes, está passando por uma revisão dos óbitos. Algumas mortes por Covid não foram contabilizadas entre abril e junho e, portanto, estão sendo registradas agora, o que pode estar levando ao aumento da média.

Doze estados estão em estabilidade, ou seja, a média diária de mortes não variou muito nem pra cima, nem pra baixo: Paraná. Rio Grande do Sul, Espírito Santo, São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Pará, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

Já oito estados estão com redução na média diária de mortes: Rio de Janeiro, Acre, Rondônia, Roraima, Alagoas, Ceará, Maranhão e Sergipe.

Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul confirmou 68 mortes e 2.667 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas. Com a atualização nos dados, o Estado contabiliza 2.540 mortes e 90.049 diagnósticos positivos para a doença. A taxa de ocupação dos leitos de UTI no RS estava em 77,8%. Em Porto Alegre, 89,49% dos leitos estavam preenchidos.

Apesar disso, o governador Eduardo Leite (PSDB) anunciou uma proposta de retorno gradual e escalonado às aulas a partir de 31 de agosto para as redes pública e privada. O primeiro nível a voltar seria o Ensino Infantil. O Ensino Superior retornaria em 14 de setembro, o Médio e Técnico, em 21 de setembro, os anos finais do Ensino Fundamental, em 28 de setembro e os anos iniciais, em 8 de outubro.

Para a presidente do CPERS Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, o governador está sendo irresponsável. “Nós estamos indignados com essa possibilidade, num momento em que a pandemia está crescendo muito no RS. O número de mortes sobe diariamente”, protesta.

Bahia

Salvador registra 64.785 pessoas infectadas e 2.036 vidas perdidas para a Covid-19. A taxa de letalidade na capital baiana é de 3,14% contra os 3,3% do Brasil. Apesar desses números, a cidade está na terceira fase na retomada das atividades.

A prefeitura vem utilizando a taxa de ocupação dos leitos de UTI como indicador de monitoramento do avanço da doença, porém, com o aumento do fluxo de pessoas nas ruas a tendência natural é haver um “repique” na proliferação de novos casos da doença.

O estado tem 68% de ocupação dos leitos de UTI com pacientes de Covid-19. Em Salvador esse percentual é de 57%.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br