CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > SÃO PAULO CONFIRMA EPIDEMIA DE CONJUNTIVITE

São Paulo confirma epidemia de conjuntivite

01/01/2011

Escrito por:

Capital registrou 50 mil casos em 45 dias; oftalmologista critica falta de campanha

A capital está sofrendo uma epidemia de conjuntivite viral desde fevereiro. Segundo o Centro de Controle de Doenças (CCD) da Prefeitura, foram registrados 50.405 casos da doença em 45 dias - mais de mil casos por dia.  

Assim que o aumento foi detectado, os profissionais de saúde foram orientados a ampliar as ações de vigilância e foi enviado um alerta a escolas e creches, que receberam orientações sobre as medidas de controle.

A doença passou a ser de notificação compulsória caso a caso. Isso significa que todos os serviços de saúde do município, particulares ou públicos, foram obrigados a informar os registros individualmente.

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, o pronto-socorro oftalmológico da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está atendendo cerca de 400 casos da doença por dia - o esperado eram 60. No Hospital das Clínicas, são ao menos 300 novos casos - o triplo do esperado para o período. Na Santa Casa, cerca de 70% dos 330 atendimentos diários são por causa da conjuntivite. No Beneficência Portuguesa, foram notificados 114 casos nos primeiros 15 dias deste mês.

Problema viral
Existem três tipos de conjuntivite: alérgica, provocada geralmente por uso de filtro solar na região dos olhos; bacteriana, que provoca vermelhidão e coceira, além de uma secreção amarelada e grudenta; e a viral, a mais comum e contagiosa, que provoca coceira, vermelhidão e uma secreção aquosa. No caso da epidemia de São Paulo, os casos foram associados à forma viral da doença.

Segundo Milton Ruiz Alves, oftalmologista do HC e professor da USP, depois de instalado em um olho, o vírus demora cerca de 48 horas para passar para o outro. Depois, o doente transmite o vírus por cerca de dez dias.

Nos casos mais graves, a evolução é lenta e pode demorar até três semanas para curar. Nos casos leves, o problema pode regredir sozinho em dez dias.

O vírus sobrevive por várias horas na superfície. Por isso, espaços públicos, como metrô, ônibus e escadas rolantes, são potenciais locais de transmissão. "Imagine a pessoa que segura no corrimão da escada rolante e leva a mão ao olho. Se o corrimão estiver contaminado, certamente ela vai se infectar", diz Alves.

Segundo a oftalmologista Elisabeth Nogueira Martins, da Unifesp, as pessoas não devem usar água boricada nem soro fisiológico para fazer a compressa. "Eles aumentam o risco de irritação e de contaminação, porque são embalagens grandes que não são descartadas na hora."

Ao contrário do que ocorre com outras doenças, como sarampo e catapora, a conjuntivite não garante imunidade para o paciente. Como o vírus sofre mutações frequentes, a pessoa pode estar contaminada, curar-se e voltar a se infectar.

Para o oftalmologista Milton Ruiz Alves, do HC, a epidemia acontece porque faltam políticas de saúde pública específicas para o problema. "Não há uma campanha de esclarecimento, especialmente nessa época do ano, para mostrar às pessoas que a conjuntivite é um problema sério e pode causar mais prejuízos, como diminuição da visão."

Incômodo
A notícia de que não precisaria ir ao colégio por uma semana deixou Ian Mota dos Santos, de 8 anos, animado. O inchaço no olho direito foi diagnosticado como conjuntivite. Mas a felicidade dele durou pouco, conta a mãe, Márcia Arruda, de 32. "Agora, ele reclama por não aguentar ver televisão ou ficar no computador por muito tempo", diz. A doença foi transmitida na por colegas de escola.

Marion Guerra, de 62 anos, crê que pegou a doença no trabalho. "O pessoal de outros setores foi dispensado. Na segunda, cheguei com o olho vermelho e me mandaram para o médico da firma."

O que é conjutivite?
É uma inflamação da conjuntiva, a membrana que reveste o "branco" do olho, e pode afetar a córnea e as pálpebras. Pode ser causada por vírus, bactérias ou por reação alérgica.

Contágio
A contaminação acontece por contato das mãos, compartilhamento de toalhas, talheres, sabonete, teclado de computador, telefone, maçaneta etc. Também é possível se dar por meio de gotículas de saliva.

Prevenção
Lave as mãos com frequência, use álcool gel e separe os objetos, se tiver contato direto com uma pessoa contaminada.

Tratamento
Não há remédio para a doença. A única alternativa é reduzir o desconforto, com compressas de água fria para diminuir o inchaço e o edema. Em casos mais complicados, recomenda-se o uso de colírio com antibiótico.

Fonte: O Estado de S. Paulo / Fernanda Bassette /  Colaborou Felipe Oda, do Jornal da Tarde

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Facebook Twitter Contracs Fecesc Fetrace Fetracom-DF Fetracom-PB Fetracs-RN Fetracs Conexão Sindical Rede Brasil Atual

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br