CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > CUT FAZ PROTESTO EM FRENTE AO BC, EM SÃO PAULO, PELA QUEDA DA TAXA DE JUROS E CONTRA O AUMENTO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

CUT faz protesto em frente ao BC, em São Paulo, pela queda da taxa de juros e contra o aumento do superávit primário

01/01/2011

Escrito por:

Manifestação aconteceu na avenida Paulista

Nesta terça-feira (30), às 12h, a militância da CUT fez um ato em frente ao edifício do Banco Central, em São Paulo (Av. Paulista, 1804), para reivindicar a redução das taxas de juros e ampliação dos investimentos em políticas públicas e programas sociais.

Nesta segunda (29), o governo anunciou que vai aumentar a meta do superávit primário - economia que o governo faz para pagar os juros da dívida - para conter os efeitos da crise econômica mundial e permitir a redução dos juros. Para o governo, as medidas de aperto fiscal ajudam o Banco Central a iniciar mais rapidamente a redução da taxa básica de juros.

Para o presidente da CUT, Artur Henrique, “essa decisão vai contra a visão da CUT de que é preciso fortalecer o mercado interno e manter as políticas públicas e sociais”. Durante a reunião, Artur deixou claro que a Central não concorda com o aumento do superávit e alertou que a manutenção das políticas públicas e sociais depende fundamentalmente do papel do Estado.

“A presidenta acha que as medidas criam as condições para diminuir as taxas de juros e nós achamos que se não houver mobilização da sociedade, a taxa não cai”.

Por isso, a CUT realizou este ato com o objetivo de pressionar o Copom a baixar a taxa. Segundo Artur, “o que sangra o Brasil é essa taxa de juro criminosa; é o dinheiro que sai do nosso orçamento e vai direto para o bolso dos especuladores. O que o país precisa é de uma redução drástica da taxa de juros”.

O Copom - Comitê de Política Monetária do Banco Central, grupo que define as diretrizes da política monetária e a taxa básica de juros do País, se reúne nestas terça e quarta-feiras para decidir a nova taxa de juros – atualmente, a taxa Selic é de 12,50%.

O que o trabalhador tem a ver com isso?

A Selic é a taxa de juro que o governo paga para rolar a sua própria dívida. Quando a Selic está alta, ganha quem tem título público, ou seja, o mercado financeiro que tem títulos da dívida. Os banqueiros são os grandes credores do Estado.

Quando o juro sobe, fica mais atrativo comprar título público. E, como poucos investimentos rendem mais do que a Selic, nenhum banco empresta para o setor privado, prejudicando ainda mais os investimentos no País. Indiretamente, a alta da Selic desincentiva o aumento da produção, a contratação de mão de obra e também produz o aumento do custo do crédito, principalmente, do crédito para o setor produtivo.

Já o aumento do superávit primário reduz os investimentos do governo, o que significa minimizar as verbas para políticas públicas e diminuir a presença do Estado como indutor do desenvolvimento econômico e social.

Fonte: CUT Nacional / Marize Muniz

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br