CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > GRITO DOS EXCLUÍDOS COBRA NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO COM DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E FIM DAS DESIGUALDADES SOCIAIS

Grito dos Excluídos cobra novo modelo de desenvolvimento com distribuição de renda e fim das desigualdades sociais

01/01/2011

Escrito por:

No Dia da Independência, população sai às ruas para denunciar o não cumprimento de direitos sociais básicos

Nesta quarta-feira, dia 7, data da Independência oficial, a população brasileira, apoiada por organizações populares, saiu às ruas para a 17ª edição do Grito dos Excluídos. Com enfoque na denúncia dos problemas sociais locais e nacionais e para cobrar o cumprimento de direitos básicos garantidos pela Constituição, manifestantes do Distrito Federal e de todos os estados, com exceção do Acre, confirmaram atividades de protestos.

Por serem atos descentralizados e realizados com autonomia dos movimentos, a quantidade de reivindicações são variadas e dependem, na maioria das vezes, do contexto de cada município ou estado. Ainda assim, segundo Ari Alberti, integrante da secretaria nacional do Grito dos Excluídos, há denúncias que devem ocorrer em grande parte dos protestos, como a precarização da saúde e da educação, exigências de reformas consideradas mínimas como a agrária e a política, o fim da corrupção e a não aprovação do novo Código Florestal.

“Uma sociedade onde não há participação excessiva possui uma democracia manca, e a nossa sociedade, nesse sentido, está bastante manca. A gente acredita que passar do passivismo para o civismo atuante no dia oficial da Independência significa uma mudança de cultura. E o Grito tem os seus méritos de ter contribuído para essa mudança”, avalia Alberti.

O tema do evento deste ano, “Pela vida grita a terra. Por direitos, todos nós!”, faz referência à Campanha Nacional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e, de acordo com Alberti, busca expressar tanto as dificuldades pelas quais passa a natureza, com a aprovação de megaprojetos com grandes impactos ambientais, quanto o dever dos brasileiros de cobrar do Estado direitos sociais estabelecidos constitucionalmente.

Avanços

Segundo Alberti, 17 anos depois da primeira edição do Grito dos Excluídos, é possível dizer que houve avanços na participação dos atos como um acontecimento nacional. Além disso, há casos em que essa manifestação popular passou a ser objeto de estudos acadêmicos e tema de discussão nas escolas, a partir de concursos de poesias, músicas e redação.

“No primeiro Grito, em 1995, tivemos notícias de 170 atividades. Se hoje a gente está em todo o Brasil, com a exceção do Acre, de onde ainda não temos notícias, o Grito avançou numericamente e qualitativamente. Aquilo que é pautado na Semana da Pátria passa a ser reivindicado dos poderes locais, o que é extremamente importante”, explica Alberti.

Alberti também destaca que a atividade ganhou a agenda de entidades que nem sempre realizam manifestações em unidade porque possuem discordâncias políticas. Para ele, é justamente a característica descentralizadora e autônoma do ato que propicia a ação conjunta.

“[O Grito] procura ser um espaço onde não há disputa do microfone para ver quem vai falar, mas dá vez e voz aos excluídos. Isso tem ajudado a juntar essas organizações de matizes diferentes, que em outros locais e momentos não conseguem mais se juntar”, afirma.

A partir da quarta edição do evento, o Grito passou a acontecer não só no Brasil, mas em países da América Latina no dia 12 de outubro, data que ficou conhecida como descobrimento das Américas.

Na edição deste ano, as manifestações contaram com o apoio da Central de Movimentos Populares (CMP), Central Única dos Trabalhadores (CUT), União dos Movimentos de Moradia de São Paulo (UMM), Frente de Luta Pela Moradia (FLM), Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), Marcha Mundial das Mulheres (MMM), Sindicatos dos Servidores Municipais de São Paulo, e outras entidades.

Fonte: CUT Nacional / Brasil de Fato / Aline Scarso

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br