CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > JBS FRIBOI, RASTRO DE SANGUE

JBS Friboi, rastro de sangue

01/01/2011

Escrito por:

Reportagem do Brasil de Fato denuncia que apesar do extenso currículo de lesões e mutilações, empresa recebe bilhões do BNDES

“A JBS tem como missão ser a melhor em tudo o que se propõe a fazer”, diz a página da “maior empresa em processamento de proteína animal do mundo”. No entanto, será o crime uma missão da JBS Friboi? Esse é o questionamento que se faz a essa empresa que recebeu R$ 10 bilhões de dinheiro público do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). São contundentes relatos de funcionários vitimados pela superexploração, o ritmo intenso de trabalho e as longas e extenuantes jornadas que multiplicam os acidentes de trabalho com lesões e mutilações.

A multiplicação das denúncias e dos protestos vem forçando a Justiça, mesmo que ainda modestamente, a sair da letargia diante do rastro de sangue e dor deixado pela gigante da alimentação.

- Veja a reportagem completa clicando aqui

Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e seu representante no Conselho do BNDES, Artur Henrique sustenta que “é inaceitável manter recursos públicos, desonerar ou incentivar a determinados setores econômicos sem a obrigação de estabelecer metas de contrapartidas sociais”. Segundo Artur, “estas metas não devem se restringir à geração de emprego, mas à qualidade dos empregos, às condições de trabalho e ao fortalecimento da negociação coletiva. Afinal, não é possível continuar investindo bilhões de reais numa empresa como a JBS Friboi e ao mesmo tempo gastar bilhões com a Seguridade Social para bancar os milhares de doentes afastados, lesionados e mutilados”.

“Estimulada pela falta de atitude do governo, agora a empresa parte diretamente para o achaque e a chantagem explícita, ameaçando com o fechamento de plantas, caso não receba mais prêmios por sua conduta criminosa”, acrescentou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac), Siderlei de Oliveira. Muito diferente da “responsabilidade social” de suas publicidades, denunciou Siderlei, a JBS suspendeu por tempo indeterminado suas operações nas plantas de Presidente Epitácio (SP), Teófilo Otoni (MG) e Maringá (PR), sem qualquer comunicação com os trabalhadores.

Fonte: CUT / Leonardo Severo

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br