CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > ZARA ASSINA TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

Zara assina Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público do Trabalho

01/01/2011

Escrito por:

São Paulo – A Zara Brasil, do Grupo Inditex, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério do Trabalho e Emprego firmaram ontem (19) um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) em que a empresa espanhola se compromete a eliminar as precárias condições de trabalho e a garantir qualidade de vida de seus empregados.

O TAC estipula uma série de ações da Zara, que demandarão um investimento social de R$ 3,4 milhões da empresa e criará um fundo de emergência para resolver eventuais situações de precariedade de condições para os trabalhadores. Na versão anterior do TAC, que a Zara não quis assinar, o MPT pedia indenização de R$ 20 milhões para reparação de danos morais coletivos.

“O acordo demonstra o compromisso e o interesse do Grupo Inditex e da Zara Brasil em reforçar o controle da cadeia de suprimentos por meio do cumprimento da legislação brasileira e do Código de Conduta da companhia por parte de seus fornecedores e empresas subcontratadas", diz nota do Ministério Público do Trabalho. A nota acrescenta que o Termo de Ajuste de Conduta visa ainda a incentivar a promoção dos direitos humanos, principalmente dos trabalhadores imigrantes.

Entre outras ações, estão previstas no TAC a formalização das oficinas de costura e a realização de seminários e reuniões de conscientização com empregadores e trabalhadores. Deverá também ser implementado um serviço de orientação jurídica e administrativa especializada para auxiliar a empresa nos processos de regularização das oficinas de trabalho.

Os programas serão realizados por organizações não governamentais (ONGs) como o Centro Pastoral do Migrante, o Centro de Apoio ao Migrante (Cami) e a Associação Nacional de Estrangeiros e Imigrantes Brasileiros.

Em junho, o MPT e o Ministério do Trabalho descobriram 51 pessoas (46 bolivianos) trabalhando em condições precárias em uma confecção contratada pela Zara em Americana, no interior paulista. Os trabalhadores eram submetidos a uma jornada média de 14 horas e recebiam o equivalente a R$ 0,20 por peça de roupa produzida. No mês seguinte, foram encontrados 14 bolivianos em condições semelhantes em duas confecções na cidade de São Paulo.

Fonte: Agência Brasil / Bruno Bocchini

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br