CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > PREÇO DA CESTA BÁSICA SOBE EM 15 DE 17 CAPITAIS NO PRIMEIRO MÊS DO ANO

Preço da cesta básica sobe em 15 de 17 capitais no primeiro mês do ano

01/01/2011

Escrito por:

Dieese estima em R$ 2.398,82 o salário mínimo necessário. Proporção cai em relação ao valor oficial

São Paulo – O preço da cesta básica no primeiro mês de 2012 subiu em 15 das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Houve recuo apenas em Porto Alegre (-0,81%) e Vitória (-1,54%). As maiores altas foram apuradas em Brasília (4,72%), João Pessoa (3,9%) e Florianópolis (3,51%). Entre as cidades mais populosas, o valor subiu 2,98% em São Paulo, 3,35% no Rio de Janeiro, 2,58% em Salvador e 1,54% em Belo Horizonte. No período de 12 meses, até janeiro, o preço recuou apenas em Natal (-4,88%). Entre os destaques de alta, estão Florianópolis (10,16%), Belo Horizonte (9,81%) e São Paulo (9,3%).

Segundo o instituto, a cesta básica mais cara continuou sendo a de São Paulo (R$ 285,54), aumentando a distância para Porto Alegre (R$ 274,63). Os menores valores foram registrados em Aracaju (R$ 187,88), João Pessoa (R$ 212,18) e Natal (R$ 213,63).

Com base no maior valor, o Dieese calculou em R$ 2.398,82 o salário mínimo necesssário para um trabalhador e sua familia. Esse valor corresponde a 3,86 vezes o mínimo oficial (R$ 622). Essa proporção era de 4,27 vezes em dezembro e de 4,06 vezes em janeiro do ano passado.

Na média das 17 capitais, o trabalhador que recebe salário mínimo precisou cumprir jornada de 87 horas e seis minutos para comprar os gêneros alimentícios essenciais – dez horas a menos do que em dezembro (97 horas e 22 minutos) e oito horas a menos do que em janeiro de 2011 (95 horas e três minutos). Em janeiro deste ano, o mínimo foi reajuste em 14,13%.

"Os preços dos itens essenciais tiveram alta bastante generalizada em janeiro, devido à ocorrência de chuvas intensas em boa parte do país, particularmente no Sudeste, que além de afetar a produção, destruíram trechos de estradas e pontes, dificultando o escoamento dos produtos", diz o Dieese. "Além disso, a região Sul passou por período de prolongada seca, que provocou quebra na produção de grãos. Assim, o fator climático tem sido o principal responsável pela alta nos alimentos básicos. Em sentido inverso, a crise na Europa pode ter contribuído para o comportamento dos preços, pois os produtos normalmente exportados para a região tendem a cair, por redução do mercado." O feijão ficou mais caro em 15 capitais, o tomate em 14 e o café, em 13.

Fonte: Rede Brasil Atual / Vitor Nuzzi

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br