CONTRACS > LISTAR NOTÍCIAS > MAGISTRADOS, PROCURADORES E AUDITORES EM DEFESA DO PONTO ELETRÔNICO

Magistrados, procuradores e auditores em defesa do ponto eletrônico

01/01/2011

Escrito por:

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) se posicionaram publicamente contra o Projeto de Decreto Legislativo do Senado (PDS) 593/2010, que na semana passada foi encaminhado para a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (clique aqui para ver a tramitação e aqui para ler o texto na íntegra). Se aprovado, o decreto cancela a Portaria 1.590/2009, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), anulando toda regulamentação para o registro do ponto eletrônico no país (clique aqui para ler mais sobre como o sistema funciona hoje e aqui para ler a portaria na íntegra).

Em nota conjunta, as associações defenderam que a portaria é importante para combater fraudes, inclusive por obrigar o empregador a entregar ao empregado um comprovante do ponto registrado. “São inúmeros os inquéritos e as ações coletivas instaurados pelo Ministério Público do Trabalho, nos quais estão amplamente comprovados, além da corriqueira e reiterada prática de sonegar o pagamento de horas extras, fraudes nos atuais sistemas de marcação de ponto, o que será evitado com o registro eletrônico instituído pela Portaria”, diz a nota.

Os magistrados, procuradores e auditores destacam ainda que “o modelo [para o ponto eletrônico] aprovado pela Portaria 1510/2009, do MTE registra rigorosamente as marcações efetuadas pelo empregado e impossibilita conhecidas fraudes e adulterações:
a) não permite alterações ou apagamento dos dados armazenados na Memória, sendo, portanto, inviolável;
b) não possui funcionalidades que permitam restringir as marcações de ponto;
c) não permite marcação automática do ponto com horários predeterminados;
d) não prevê a exigência de autorização prévia para marcação de sobrejornada;
e) a marcação da jornada de trabalho é interrompida quando há comunicação do relógio de ponto com qualquer outro equipamento, seja para carga ou leitura de dados.”

O Projeto de Decreto no Senado, de autoria da senadora Níura Demarchi, defende que com a regulamentação envolve tantas exigências, que, com ela, o Ministério do Trabalho e Emprego excedeu sua autoridade administrativa. Ao se posicionar contra as regras estabelecidas, a senadora argumenta que para os trabalhadores guardar os comprovantes é um “transtorno”. Ela diz ainda que os papéis não garantem por si só o fim das fraudes, chama atenção para o custo do equipamento e para o “impacto ambiental” da impressão dos comprovantes.

A íntegra da nota pode ser lida aqui.

Fonte:
Blog da redação Repórter Brasil
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Conexão Sindical Condomínio Facebook Twitter Contracs Rede Brasil Atual Fenascera Fecesc Fetracom-DF Fetrace Fetracom-PB Fetracs Fetracs-RN Fetracs RS Fenatrad Fetracom/MS Fenadados

Todos os Direitos Reservados © CONTRACS
Sede: Quadra 1, Bloco I, Edifício Central, salas 403 a 406 | Setor Comercial Sul | CEP: 70304-900 | Brasília | DF
Telefone:(55 61) 3225-6366 | Fax:(55 61) 3225-6280
Subsede: Avenida Celso Garcia, 3177 | Tatuapé | CEP: 03063-000 | São Paulo | SP
Telefones:(55 11) 2091-6620 / 2091-2253 / 2092-5515 / 2225-1368 | Fax:(55 11) 3209-7496
www.contracs.org.br | contracs@contracs.org.br