quarta-feira, abril 24, 2024

Contracs realiza vigília no STF para lutar contra ampliação da precarização do trabalho promovida pela terceirização

Leia também

Corte tinha na pauta votação da terceirização na atividade fim

Em vigília desde terça-feira (08) em Frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs/CUT) – juntamente com a CUT/DF, Fetracom/DF e vários sindicatos da categoria – manifestou-se contra a precarização do trabalho promovida pela terceirização.

A escolha do local tinha um objetivo: pressionar para impedir que a terceirização sem limites fosse aprovada no julgamento da Corte, que tinha na pauta a avaliação do Recurso Extraordinário sobre a constitucionalidade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que não permite a terceirização de atividades fim para qualquer empresa.

Trabalhadores unidos pela classe
Concentrados na Praça dos Três Poderes, diversos dirigentes sindicais se manifestaram contra o Recurso que pede a derrubada da Súmula criada para proteção dos trabalhadores. “Aqui estão presentes comerciários e prestadores de serviços em diversos segmentos para dizer não à retirada de direitos. Por isso, não vamos arredar o pé e contar que a justiça se posicione em favor dos trabalhadores e decida pela manutenção dos direitos conquistados”, comentou Luis Saraiva (Luizinho), coordenador da sede da Contracs em Brasília.

Segundo o secretário de Assuntos Jurídicos da CUT e diretor da Contracs, Valeir Ertle, o trabalho dos dirigentes nos bastidores do STF foi positivo. “Visitamos vários gabinetes apelando aos ministros que não votem uma matéria que não é de competência do Supremo. Também nos antecipamos e enviamos um pedido em que a CUT e a ANAMATRA pedem o adiamento e, para o bem dos trabalhadores, a pauta não foi decidida neste julgamento”, comemorou.

As lideranças sindicais aguardam que os representantes dos trabalhadores no Congresso Nacional reformulem a lei e criem a Norma Regulamentadora, estabelecendo os limites da terceirização.

Ao final do dia, a presidente do STF, a ministra Carmen Lúcia, deu por encerrada a sessão sem colocar o tema em votação. O julgamento, portanto, foi adiando e somente na próxima quarta-feira (16) será publica a data de uma nova sessão do Supremo para abordar o assunto.

A Contracs, mais uma vez, segue acompanhando toda a tramitação. Além disso, a confederação luta pela equiparação dos direitos entre trabalhadores diretos e terceirizados e para evitar que decisões de efeitos nocivos venham pairar sobre a classe trabalhadora.

Publicação anterior
Em vigília desde terça-feira (08) em Frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs/CUT) – juntamente com a CUT/DF, Fetracom/DF e vários sindicatos da categoria – manifestou-se contra a precarização do trabalho promovida pela terceirização. A escolha do local tinha um objetivo: pressionar para impedir que a terceirização sem limites fosse aprovada no julgamento da Corte, que tinha na pauta a avaliação do Recurso Extraordinário sobre a constitucionalidade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que não permite a terceirização de atividades fim para qualquer empresa. Trabalhadores unidos pela classe Concentrados na Praça dos Três Poderes, diversos dirigentes sindicais se manifestaram contra o Recurso que pede a derrubada da Súmula criada para proteção dos trabalhadores. “Aqui estão presentes comerciários e prestadores de serviços em diversos segmentos para dizer não à retirada de direitos. Por isso, não vamos arredar o pé e contar que a justiça se posicione em favor dos trabalhadores e decida pela manutenção dos direitos conquistados”, comentou Luis Saraiva (Luizinho), coordenador da sede da Contracs em Brasília. Segundo o secretário de Assuntos Jurídicos da CUT e diretor da Contracs, Valeir Ertle, o trabalho dos dirigentes nos bastidores do STF foi positivo. “Visitamos vários gabinetes apelando aos ministros que não votem uma matéria que não é de competência do Supremo. Também nos antecipamos e enviamos um pedido em que a CUT e a ANAMATRA pedem o adiamento e, para o bem dos trabalhadores, a pauta não foi decidida neste julgamento”, comemorou. As lideranças sindicais aguardam que os representantes dos trabalhadores no Congresso Nacional reformulem a lei e criem a Norma Regulamentadora, estabelecendo os limites da terceirização. Ao final do dia, a presidente do STF, a ministra Carmen Lúcia, deu por encerrada a sessão sem colocar o tema em votação. O julgamento, portanto, foi adiando e somente na próxima quarta-feira (16) será publica a data de uma nova sessão do Supremo para abordar o assunto. A Contracs, mais uma vez, segue acompanhando toda a tramitação. Além disso, a confederação luta pela equiparação dos direitos entre trabalhadores diretos e terceirizados e para evitar que decisões de efeitos nocivos venham pairar sobre a classe trabalhadora.
Próxima publicação
spot_img

Últimas notícias